Sem volta para não sofrer

            Com uma caneta na mão, com desejos na memória e uma vontade imensa de não mais prender minhas lágrimas, será assim que começarei a escrever. Sozinha em meu quarto onde tudo está meio sombrio, pensando em parar o texto na metade, talvez seja melhor não escrever um suposto trágico fim de uma menina que muito amou. Passa-se cinco minutos e você possivelmente não entendera o titulo.

            Olhos sombrios, vestes maltrapilhas e a tinta da caneta já no final. Tudo conspira para que não escreva sobre você. Quarto bagunçado, roupas espalhadas pelo chão; o telefone toca e já não me importo com o som, por ora nem o ouço. Ponho todos os retratos para baixo, pois quem eu não quero ver, está presente em sua maioria. Passam-se mais dez minutos e nem eu sei mais o que dizer.

            Deito em minha cama, talvez a inspiração que tanto procuro esteja em alguma parte de meu corpo que precise ser revirado para mostrar-se em minha caligrafia defeituosa. Ou talvez se diminuísse a força que faço para não chorar neste momento tão depreciativo, encontrasse por fim toda a imaginação que me falta e achasse mais palavras para meu texto que se torna pobre com estas palavras sem sentido e frases sem impacto. Contudo o telefone continua a tocar e eu continuo a não ouvir e passam- se mais quinze minutos e porque eu ainda escrevo?

            Às vezes ao dormir demoro a fechar os olhos, fico a rodear meu quarto na procura por alguma luz ofuscada pela ação do sombrio, acabando assim por descobrir que ao amanhecer esta solidão e este escuro me farão muita falta. Nele eu posso chorar que não serei interrogada muito menos questionada pelo meu ato tão simples. No escuro eu posso falar mal, declamar que te amo ou que te odeio e que nunca mais terá meu amor, pois quando amanhecer posso negar tudo isto que ninguém saberá. Serei somente eu e o escuro e quando a próxima noite se aproximar eu convencerei ele de que nada disse.

            E assim será meus dias, deixando a emoção tomar conta de mim somente à noite quando ninguém me verá. Ao amanhecer serie forte, mais que uma rocha, nada me abalará nada me fará cair. Pois eu mudei, melhores. Sou mais forte… Sou mais real.

Anúncios

O que achou do texto?

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s