Outra pena

200449103-001

Dê-me cá outra pena
essa outrora fez-me amassar muitos papeis
Talvez o problema seja a pena
Ou talvez seja eu.
Dê-me cá outro papel
rabisquei-me demais neste,
sim
rabisquei a mim mesmo.
Em outro poema já lhe expliquei as circunstâncias,
escrevo sim,
sobre a infinidade do que sou
ou pelo menos tento ser.
Se rabisco
rabisco-me
se poetizo
poetizo-me
sê-lo eu a retratar-me
nesta infinidade de palavras
e letras
que misturadas dão em algo que
sinceramente
preciso reler umas trocentas vezes
para que realmente entenda
quer dizer
entenda-me.

Blerg!
Mais um poema sujo
Não sei mais sobre o que escrever.
Gostaria muito de saber,
mas roubaram-me as palavras
os papeis
a pena
eu
E quantas forem as vezes
que peça que me deixem
que me esqueçam
Mais esses pensamentos
(tão fatigados e cansados)
voltarão
com o simples e inerte objetivo
de roubarem meu sono
de roubarem meus ais
de me roubarem
roubarem de mim

Mariana Cassiano

Anúncios

O que achou do texto?

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s