Tornada

E ela disse que o ia esperar, mesmo que para isso repousasse eternamente naquela mesma esquina até que seu querido par desejasse seguir a diante com ela. Até o momento em que ele pudesse perceber que a vida sem ela seria um saco, que não teria a menor graça, porque ninguém o faz rir como ela faz. E quando digo ninguém, é ninguém mesmo. Ninguém o contorceria a barriga em dores descomunais mas tão agradáveis e boas de sentir. Ninguém o arrancaria lágrimas dos olhos fossem por alegria ou nem tanto assim. Ninguém o daria a mão num gesto simples de entrelaçá-las, a fim de precipitar um abraço que naquele momento não poderia ocorrer. Até o momento em que ele viesse a perceber que a vida dele seria totalmente sem graça sem aquela garota de caretas estranhas e aparência mais estranha ainda, que descreve seu mundo a base de um roteiro e convence todos a aceitar tanto suas ideias, opiniões quanto a ela mesma.  E quando digo que aceitam, é porque realmente aceitam. Mas ela não poderia criar um roteiro e fazê-lo acreditar que tudo seria perfeito. Ela não poderia criar um mundo no qual o seu “quem sabe príncipe” aceitasse como que por ordem se apaixonar por ela, como que o príncipe devesse beijá-la, pois se não houvesse beijo aquela linda donzela estaria entregue a morte por envenenamento. Até porque não existem mais bruxas malvadas tão pouco maçãs envenenadas dando sopa por aí. E ela não poderia forjar o próprio funeral e contratar sete anões somente para ficar com o príncipe para sempre.

Sendo assim, ela sentou no meio fio, colocou as mãos no rosto e esperou o “quem sabe príncipe” tomar coragem e olhar para ela, percebendo que realmente a vida sem aquela escritora de histórias de amor não seria a mesma. Que dormir e acordar sem aquela chata perturbando seus momentos mais tranquilos não será interessante e que essa vida desengonçada e desinteressante que você vive não será o bastante sem que ela esteja do seu lado naquele vestido lindo com os cabelos bagunçados e imitando algum bebê estranho.

E por isso ela o espera na calçada. Ela sabe que você ainda vai descobrir que a sua vida não será mais sua e a vida dela não será mais dela, porque a graça, “quem sabe futuro príncipe”, é a história terminar no “nós”.

E vai terminar, é só você a encontrar na esquina daquela calçada. Ela ainda está lá. Sempre que o amor voltar, ela vai voltar para aquela mesma esquina, só para te esperar mais uma vez… Toda vez.

Mariana Cassiano

Anúncios

3 comentários sobre “Tornada

O que achou do texto?

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s