Primeiro registro

E você pensou que esse dia nunca chegaria. Se bem que se formos analisar profundamente ninguém pensava, tão pouco o tal incomodo. E você aí deitada neste sofá, em pleno domingo achando que alguém iria bater na sua porta e fazer tudo ter sentido novamente. Não bateram. Ninguém disse que seria fácil, até porque ninguém nunca disse nada. Voltando então para a primeira linha deste texto que já não importa mais para nós. Chegaria o momento em que as fotos seriam muitas, as frases seriam muitas e corações estariam pulando pela tela do computador que seria meramente impossível não serem vistos. Você lembrou de fechar os olhos, querida? Pois é, ninguém te alertou quanto a isto. Também ninguém deve ter visto. Mas as fotos, as músicas, as declarações estavam lá. E ninguém te avisou o quanto isso doeria. Contudo, este dia chegou. Dia em que finalmente a ficha caiu e você percebeu que não importou as horas de juízo ou os constantes desabafos para o ursinho de que era uma fase e que iria passar. Pelo contrário, amarrotou! Não importou quantas vezes você olhou para o relógio na tentativa de contar as horas quando na realidade você contava as cenas para tentar entender o que não ficou claro. Pelo contrário, escureceu! E sobre as lágrimas, você tentou buscar razões para elas terem sido limpas tão rápido quando na realidade não deveriam ter deixado de existir, até que voltasse aquilo que de tão certo, errou. Pelo contrário, ele a beijou e você viu. E ao beijar secaram-se as lágrimas, secaram-se as dores, secou-se o amor. Ora, que amor eu pergunto. Um amor que um dia pode existir e dar o ar de sua graça ao mais lindo arranjo de flores. Mas hoje, pelo contrário, murchou! E aqui é feito este primeiro registro para que saiba que você estava errada desde sempre, e que seus erros (um atrás do outro) te fizeram perceber somente agora que esta perda não é perda, pois só se perde o que um dia se teve. E que dores não são curadas com semanas e você sabia disso, só não teve coragem de alertar. E palavras uma vez ditas não serão jamais esquecidas. Pelo contrário, perdurarão! Quanto aos protagonistas, não peçam a ela calma, isso não é coisa que se faça. E caso alguém venha um dia perguntar novamente por esta história, você deve responder “Que estória? Não há o que contar, pelo contrário, acabou!”.

E hoje a ficha caiu.
Contudo, não foi somente ela.
Mas disseram que passa.
E se não passar
A-mar-ro-ta-rá!

Mariana Cassiano

Anúncios

2 comentários sobre “Primeiro registro

O que achou do texto?

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s